Justiça Restaurativa é discutida em audiência pública

Várias instituições que promovem a Cultura de Paz participaram da Audiência Pública

Projeto de Lei que institui no Paraná políticas para implementação da Justiça Restaurativa, Cultura de Paz e Transformação Social foi discutido em Audiência Pública na manhã desta quarta-feira, 14 de junho, na Assembleia Legislativa do Paraná.

A proposta, de autoria do deputdo Péricles de Holleben Mello (PT), é inspirada no modelo implementado pela dra. Larissa Muniz, juíza de Direito substituta da Comarca de Ponta Grossa, que desenvolveu uma experiência aplicada na cidade e que vem trazendo muitos benefícios, mostrando uma nova forma de resolver os conflitos.

“A Justiça Restaurativa pode transformar o tecido social, expondo os conflitos e trazendo soluções pelo diálogo. Para isso, a formação de pessoas que possam implementar esse modelo é essencial e a experiência tem mostrado que funciona de forma muito efetiva”, disse o deputado.

Durante a Audiência, a professora Adriana Ribeiro Ferreira contou sobre sua experiência inovadora no Colégio João Ricardo Von Borell Du Vernay, onde atua como vice-diretora, em Ponta Grossa, onde foi possível reverter um quadro de extrema violência aplicando os conceitos de Cultura de Paz e Justiça Restaurativa. “As atividades que a escola tem desenvolvido diminuíram a necessidade de atendimento da patrulha escolar, indisciplina, violência, e tem atingido incríveis resultados nas relações de convivência dentro e fora da escola”, relatou.

A dra. Samia Saad Gallotti Bonavides, procuradora de Justiça, contou sobre o premiado projeto MB Restaurativo e Cultura de Paz, e garantiu que o Ministério Público tem buscado construir uma base sólida para trabalhar a justiça a partir desta nova perspectiva. “O que estamos observando hoje é uma sociedade revoltada, procurando buscar soluções de forma alheia à lei. Quando a pessoa se envolve no processo de resolução de seu próprio conflito, ela tem muito mais probabilidade de cumprir o combinado do que se receber uma sentença imposta por alguém que não conhece a realidade dos envolvidos”, disse. Para a promotora, é preciso trabalhar uma cultura de não violência e respeito às diversidades.

O deputado Federal Aliel Machado também participou do encontro. Segundo ele, “quando a gente traz o conceito para a prática e consegue resultados, vemos como esta proposta pode gerar economia para o Estado e melhorar a vida das pessoas”.

jus2

Já o deputado estadual Evandro Araújo mencionou a importância de começar um projeto como este dando o exemplo e parabenizou o deputado Péricles por ter buscado deputados parceiros em todos os partidos, para somar e trazer a prática da Cultura de Paz no embrião desta proposta.

Para o deputado estadual Claudio Palozi, é importante “estimular uma cultura de paz, que pode trazer muitos benefícios aos municípios ao trabalhar caminhos diferentes de convivência para as diferentes culturas”.

Também participaram do evento Áureo Simões Junior, presidente da Associação Brasileira de Árbitros e Mediadores; Edite Faganello, do Instituto Nhandesy; o defensor Publico dr. Fernando Rodrigues, representando o defensor geral e o professor doutor Dimas Floriani, coordenador acadêmico da Casa Latino Americana – Casla.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *