Péricles apresenta estudo da UEPG que dá diretrizes para desenvolvimento sustentável da APA

Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) entregou ao deputado Péricles de Holleben Mello um estudo, encomendado pelo parlamentar, que elabora “Diretrizes para o desenvolvimento rural sustentável na Área de Proteção Ambiental (APA) da Escarpa Devoniana”. Na manhã da última quarta-feira, 20, o material foi apresentado ao deputado e ao reitor eleito da UEPG, Miguel Sanches Neto, pelo professor Carlos Hugo Rocha – um dos coordenadores do Laboratório de Mecanização Agrícola (Lama) da UEPG, responsável pela pesquisa.

O próximo passo será remeter o trabalho à apreciação da Comissão de Ecologia, Meio Ambiente e Proteção aos Animais da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), presidida pelo deputado Rasca Rodrigues, e à Promotoria Pública de Meio Ambiente. Depois disso, está programada a apresentação para a comunidade no próximo dia 6 de julho.

“A ideia é reunir toda a comunidade, representantes do agronegócio e da agricultura familiar, do turismo e dos municípios que fazem parte da APA. Vamos chamar ambientalistas, associações rurais, comerciais e industriais, enfim, todos que de alguma forma desenvolvem algum tipo de atividade na Escarpa Devoniana. Nossa intenção é iniciar um diálogo profundo a partir desse estudo elaborado pela UEPG”, disse Péricles.

O deputado conta que a pesquisa está recebendo contribuições de vários departamentos da UEPG, como Turismo, Geociências, História, Letras, além de instituições que preservam o Patrimônio Histórico e de algumas empresas. “Muitos professores doutores estão com a gente, como Jasmine Moreira, Gilson Burigo, Niltonci Chaves, entre outros. Além deles, o Grupo de Pesquisas Espeleológicas – Gupe, coordenado por Henrique Pontes, pessoas ligadas à Cultura e o escritório de arquitetura do professor Joel Larocca. Queremos também que todos os departamentos da UEPG se juntem a essa iniciativa”, defende Péricles.

Um dos eixos fundamentais da proposta é o turismo sustentável e o estudo pode, inclusive, servir como base para elaboração de planos diretores de turismo para os municípios que a APA da Escarpa abrange, segundo o parlamentar. “Podemos restaurar ramais ferroviários abandonados, malhas viárias, construir estradas-parque, ciclovias e uma série equipamentos de infraestrutura para o Turismo. Tudo isso, depois de uma discussão aberta, democrática, que contemple todos os atores, acompanhada por servidores públicos que atuam na Justiça Restaurativa, com o Centro Judiciário para Solução de Conflitos e Cidadania – Cejusc – e a promotoria de Meio Ambiente”, diz Péricles, salientando que a partir do diálogo pode ser gerado um novo modelo de desenvolvimento da Região dos Campos Gerais tendo a UEPG e o governo do Estado do Paraná como mobilizadores do processo.

O ESTUDO

As diretrizes da pesquisa estão divididas em cinco tópicos principais e a UEPG deve sintetizar o material na forma de e-book a pedido do deputado Péricles. Para o professor Carlos Hugo, “devemos buscar alternativas inteligentes e criar uma situação em que todos possam ganhar, sociedade, empresas e produtores rurais. Esse estudo aponta direções para isso”.

Segundo a proposta feita pelo Lama, a primeira providência a ser tomada em relação à APA é a “conservação de habitats e paisagens remanescentes”. Para isso, o estudo sugere estabelecer diálogo com as comunidades para identificar demandas e oportunidades específicas para conservação, incentivando a criação de Reservas Particulares de Patrimônio Natural, as RPPNs, ou Resevas Legais Compensatórias, por exemplo, que geram renda para os proprietários de terras.

Outra ação que seria definidora para o desenvolvimento rural sustentável é a recuperação e conservação de áreas de preservação permanente, identificando paisagens prioritárias para uma ação coordenada. Nesse momento, em casos que houve degradação ambiental, se desenvolveriam negociações a partir de termos de ajuste de conduta.

Na esteira disso, fomentar a mitigação de espaços ambientais dos sistemas de produção agrosilvopastoril seria o próximo passo. Uma das ações possíveis seria um programa de conservação de solos incentivando o manejo de pragas, doenças e ervas daninhas com consequente diminuição do uso de agrotóxicos.

A pesquisa feita pela UEPG considera a necessidade da utilização da APA para geração de riqueza e distribuição de renda, por isso a quarta diretriz propõe fomentar alternativas sustentáveis para manejo dos recursos naturais da APA. Desse modo, seriam apoiados sistemas agroecológicos de produção, incentivando também o agroturismo, o turismo rural, ecoturismo e turismo de aventura. Tudo isso aliado a uma ação de marketing para surgimento de novos produtos sustentáveis e orgânicos com o apoio das cooperativas existentes na região, contemplando grandes, médios e pequenos produtores.

Por fim, e não menos importante, seria garantir a qualidade da água para consumo humano e para produção. Nesse sentido, é essencial que as bacias hidrográficas de mananciais de abastecimento urbano sejam mapeadas e recuperadas quando necessário. A criação e revitalização de áreas de lazer nas proximidades das bacias, além de gerar renda, ajudaria na preservação.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *