Projeto de Lei 577/07

SÚMULA: Institui  o  Dia  do  Dançarino  de Salão no Calendário  Oficial  de  Eventos  do Estado do Paraná e dá outras providências.
Art.  1.º  Fica  Instituído  o  Dia  do  Dançarino de Salão, que será    comemorado, anualmente, no dia 04 de Maio.
Art. 2.º A Secretária de Estado da Cultura adotará as providências necessárias para inclusão do Dia do Dançarino de Salão no Calendário Oficial do Estado.
Art. 3º Será realizada anualmente nesta data, eventos sócio-culturais alusivos à data estipulada para a comemoração.
 
Art. 4.º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 
 
Sala das Sessões, 13 de agosto de 2.007 
 

Péricles de Holleben Mello
Deputado Estadual – PT
 
 
JUSTIFICATIVA

A dança de salão é praticada por pessoas de uma ampla faixa etária, de 7 a 100 anos, e de todas as classes sociais, que buscam na harmonia da dança, uma maior sociabilidade e melhor qualidade de vida.
Além do aspecto social, que gera a confraternização entre as pessoas, a dança de salão é indicada por profissionais de saúde como terapia ocupacional contra as tensões do dia-a-dia, cansaços e estresses, uma vez que promove a confiança e o aumento da auto-estima, sendo fonte de prazer e entretenimento.
Porém, o sucesso e a fama dessa cadência de passos ou bailado, não existiria sem os grandes mestres da dança de salão.  São exemplos como Rachel Pereira Mesquita, professora que dedica sua vida á dança de salão e principalmente ajuda a despertar nas crianças esta magia que é o dançar a dois.
A proposta surgiu após discussão com algumas academias que propuseram realizar uma homenagem a está mestra, que influencia positivamente na formação dos professores paranaenses.
Entendemos que o registro dessa data no Calendário Oficial do Estado do Paraná, significa o reconhecimento da magnitude do relevante trabalho prestado pelos dançarinos de salão, que tanto contribuem para a melhoria da qualidade de vida da população.

Sala das Sessões, 13 de agosto de 2.007 
 

Péricles de Holleben Mello
Deputado Estadual – PT
Encaminhado à CCJ

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *